Tá na Rua

/A moda desfila na passarela urbana

A aura de Woodstock ainda veste os festivais

O lendário festival de música completa 44 anos e mantém viva a estética da geração hippie
| Por: Raquel Medeiros

Um festival. Acordes de rock and roll. Astros ainda anônimos... Uma multidão em transe dá corpo à lenda. O cenário de Woodstock se mantém na memória da geração do "Paz e Amor" e mistura-se à história do acontecimento cultural que marca o ano de 1969. Entre os dias 15 e 17 de agosto na comunidade rural de Bethel (Nova Iorque) a programação com 31 atrações transforma nomes como Jimi Hendrix, Santana e Janis Joplin em ícones do evento musical que assinalou o século passado.

Os fatos que constituem a síntese de Woodstock são únicos. Outros festivais escrevem uma ordem temporal de talentos incorporados aos palcos em atmosferas próprias que em nada se aproximam dos turbulentos anseios da geração hippie no auge da guerra do Vietnã. Passados 44 anos, a inspiração alimenta realizações como o Rock in Rio, Coachella, Lolapalooza... A música energiza os encontros em grandes áreas abertas. Espaços cedidos, também, à moda que faz prevalecer irreverência, ousadia e identidade da juventude sempre apaixonada pelos som estridente da guitarra que sabe dosar canções de amor e protestos. 

O uniforme para celebrar as maratonas de shows guardam certa fidelidade com os dias de culto ao corpo, de expressão de liberdade e de sedução. Para o Rock in Rio que bate à porta em setembro, a velha calça desbotada, as camisetas e os vestidos de formas amplas e estampas psicodélicas continuam vestindo sonhos. Os tênis calçam a quilometragem do ir e vir na multidão e os óculos pontuam estilo. As flores? Seguem fazendo a cabeça!

 

Janis Joplin: a musa de Woodstock morreu um ano após o festival, de overdose