Tá na Rua

/A moda desfila na passarela urbana

O estilo atemporal de Marilyn Monroe

Os 50 anos da morte da atriz americana não apagam a imagem que segue influenciando moda
| Por: Raquel Medeiros

Os mitos perduram, são indeléveis. Marilyn Monroe é assim. Meio século depois de sua morte, em 5 de agosto de 1962, aos 36 anos, nada apaga sua imagem vibrante eternizada no imaginário coletivo. As curvas sinuosas, os seios fartos, o cabelo loiro platinado quase sempre em contraste com os lábios vermelhos voluptuosos. Ícone do cinema americano nos anos de 1950, Norma Jean - seu nome de batismo - é atemporal. Continua viva, inspirando gerações com seu padrão de beleza dosado entre a força da sensualidade e a aparente fragilidade.

Sobre a atriz de "Os homens preferem as loiras" (1953) pesaram indagações relativas ao talento; mas, nunca restaram dúvidas ante o magnetismo que exerceu por sua estética avassaladora. Em uma de suas últimas entrevistas, Marilyn equivocou-se quanto à fama passageira que a conduziria ao esquecimento. Eternizou-se nas telas, nas centenas de aparições públicas fotografadas e poses meticulosamente estudadas para campanhas publicitárias. Tudo que disse e usou continua impactando, abastecendo uma indústria movida pela curiosidade ilimitada.

Na moda, a loira foi além da revelação do que usava para dormir e que só nela parecia cair como uma luva: duas gotas do Chanel Nº 5, seu perfume favorito. Fez e faz tudo parecer sob medida e atual como o esvoaçante vestido branco e plissado que entrou para a história do cinema em "O pecado mora ao lado" (1955).  Dos ousados trajes de banho que ressuscitam pin ups do século 21 a uma simples camisa com poder de um vestido de noite, seu espírito sofisticado convence que mais que a roupa prevalece a atitude.