Pano pra Manga

/Entrevista que dá o que falar

"Há uma falsa glamourização da moda", diz Fernanda Yamamoto

Em entrevista exclusiva a estilista paulistana fala sobre moda nacional, criação e desafios do setor
| Por: Raquel Medeiros

A criação marcante e madura contrasta com a juventude da estilista de 33 anos que consolida uma carreira meteórica no cenário da moda nacional. A paulistana Fernanda Yamamoto assina um estilo contemporâneo e bem particular que pode ser decifrado nos materiais nobres, nos processos artesanais como as dobraduras que lembram origamis e na modelagem elaborada. Arte e identidade  abastecem sua concepção criativa que passa ao largo de tendências para encontrar refúgio nas referências que a emocionam. Logo, o resultado do seu trabalho é uma extensão dos sentimentos que perduram na roupa atemporal.

O reconhecimento da crítica transborda na carreira de curto tempo.  Nasce com marca homônima em 2008, depois da formação em Moda pela Parsons de Nova York, e desde então estabelece uma rotina intensa de projetos, coleções e participações em eventos nacionais e internacionais. A agenda de trabalho deste mês de julho traz a designer pela primeira à Paraíba. Fernanda  participa nos dias 4 e 5 da comissão julgadora do concurso Fashiontech - Novos Estilistas (promovido pela Estação da Moda, órgão ligado à Prefeitura da capital paraibana). Na ocasião, também realiza palestra no Sebrae-PB sobre o seu processo criativo.

O cenário da moda brasileira, a última coleção inspirada nas obras do brasileiro Hélio Oiticica (1937-1980) e do mexicano Luis Barragán (1902-1988), entre outras abordagens, integram o conteúdo que dá pano pra manga na entrevista exclusiva concedida ao site Nas Entrelinhas.  

 

ENTREVISTA  

Qual o seu olhar sobre a atualidade da moda brasileira?

Fernanda Yamamoto - Vejo o cenário da moda nacional de duas maneiras. Uma bem otimista, porque a moda no Brasil vem acontecendo de fato. Isso pode ser visto no número de faculdades abertas e nos eventos que integram o calendário. Mas, também percebo com certa preocupação. Sobretudo, para uma marca se estabelecer no mercado, como as menores e mais autorais. Não é nada fácil. Há uma falsa glamourização.

Um manifesto reuniu estilistas no final do SPFW pedindo à presidente Dilma diálogo para uma política que acolha o segmento e viabilize um mercado mais competitivo. Qual o maior desafio da moda nacional?

Fernanda Yamamoto - Existe uma dificuldade de competitividade no mercado. Isso implica, por exemplo, no acesso à matéria-prima que é cara. A nossa indústria têxtil está morrendo porque não consegue competir com a produção da China. Daqui a pouco não teremos mais tecidos produzidos aqui. É triste ver a migração do papel da empresa produtora para importadora... Depois, tem toda a questão de tributos. É preciso chegar a alguns termos que concorram para uma competitividade justa. Não se trata de protecionismo.

A moda agora integra o Plano Nacional de Cultura, do Ministério da Cultura. Como essa medida fortalece o setor?

Fernanda Yamamoto - Considero uma questão muito importante. A moda nesse contexto é uma vitória e estabelece um canal de identidade, inspira outro olhar. Essa conquista e valorização se deve muito ao Ronaldo Fraga. Tem muito empenho da parte dele.

E como pode funcionar enquanto canal de inclusão social?

Fernanda Yamamoto - A moda também pode exercer esse papel com um valor enorme. Um impulso à cultura local, a riqueza dos trabalhos manuais. É uma maneira de aproximar e valorizar esses universos e as pessoas que deles fazem parte.

O seu processo criativo valoriza o artesanal, com um estilo bem particular de formas e texturas. Você passa ao largo das tendências?

Fernanda Yamamoto - Tento fugir das tendências... Não pesquiso. Claro que estou inserida dentro do sistema, onde a indústria têxtil realmente trabalha com cores que fazem parte desse cenário. Mas, tento não seguir e não me deixar influenciar.

As dobraduras estão presentes nas suas peças e lembram origamis. É uma assinatura da sua descendência japonesa?

Fernanda Yamamoto - Sim. Acho que elas compõem uma assinatura inconsciente. Aparecem praticamente em todas as coleções. Isso também se deve ao fato de eu trabalhar com a modelagem diretamente no manequim. Vou ajustando, fazendo dobras no tecido... Não acontece com a intenção de identificar minha origem. 

Suas coleções trazem inspirações em temas fortes, carregados de arte, história e identidades culturais. O que motivou o Verão 2013 nas obras dos artistas Helio Oiticica e Luis Barragán? 

Fernanda Yamamoto - Sempre tem uma relação pessoal. Nessa última coleção, a inspiração na obra de Barragán surgiu de uma viagem recente que fiz ao México. O trabalho dele mexeu comigo, me tocou, me sensibilizou. Em realidade, comecei com Hélio Oiticica e consegui estabelecer uma unidade com as duas referências. Curiosamente, há uma aproximação na obra deles através de formas, planos, cores, jogo de luz e sombra. A inspiração é sempre o ponto de partida para a criação, mas sempre tem algo muito pessoal, autoral.

O design e o artesanato constituem potencialidades na integração socioeconômica. Esse é o caminho da moda?

Fernanda Yamamoto - Esse é um caminho bem brasileiro para uma consolidação da moda. É um desafio enorme unir o contemporâneo com o feito à mão de forma harmoniosa, porque não pode ser só o artesanal pelo artesanal.   

O conceito de "moda verde" ganha espaço. Você adota alguma prática de produção sustentável? 

Fernanda Yamamoto - Na minha visão, a sustentabilidade de uma coleção tem a ver com menos desperdício. É você acompanhar desde o corte à produção final. É observar como a matéria-prima é empregada no processo, em que condições as pessoas envolvidas trabalham. É importante que seja elaborado de forma justa em todos os aspectos.

O Brasil é um dos países com o maior número de escolas de moda. Que profissionais estão chegando ao mercado e quais os horizontes possíveis?

Fernanda Yamamoto - Não vejo um cenário muito positivo. São muitos profissionais e poucas oportunidades para quem quer trabalhar com estilo. Não existe espaço para todos. É uma ilusão. As escolas têm que pensar em formar mais técnicos em modelagem, costura... A maioria está focada apenas no estilista. É necessário ampliar outras áreas de atuação no mercado profissional.

 

Matéria relacionada:

E assim se fez a luz: o Renascimento de Yamamoto