Moda

/Porque é tendência estar bem informado

Os pés "não abrem mão" das espadrilhas no verão

As sandálias com saltos revestidos em corda aliam estilo e conforto com referências dos anos 70
| Por: Da Redação

Dias quentes à vista, cheios de agitação e compromissos mil. O verão é assim: inspira ritmo acelerado e a correria exige muito dos pés que "não abrem mão" do conforto. Sem perder o foco na comodidade e aliando estilo afinado com as tendências dos anos 70 para a estação, as marcas calçadistas repaginaram a espadrilha. A denominação corresponde às anabelas ou plataformas com saltos revestidos em corda que já estão reinando absolutas nas vitrines.

O estilo rústico e artesanal dos saltos trançados em ráfia, palha e juta chega harmonizado à tradição do modelo em lona e às versões sofisticadas confeccionadas em couro. O poder de escolha vai determinar uma produção informal ou mais requintada. Abertas ou fechadas na parte da frente, afiveladas ou presas ao tornozelo por tiras e fitas, elas farão par com jeans, vestidos, macacões, shorts e saias de comprimento mini e macro.  

Ancestralidade camponesa e guerrilheira

A sandália da estação expressa vínculos com a natureza e traz na bagagem uma história que é bem anterior ao boom fashion assinalado na década hippie. A popularidade do nome francês espadrille confunde a origem que está literalmente enraizada no vizinho território espanhol. Muito dessa difusão se deve ao pioneirismo e ousadia do estilista francês Yves Saint Laurent em exibir o solado de cordas - em proposta mais elevada - nas passarelas do final dos anos 60.

É da planta esparto (Spartium junceum) que nascem as legítimas espadrillhas espanholas. O arbusto originário do mediterrâneo é cultivado para a obtenção de fibras utilizadas na ornamentação e na produção de cordas. Os camponeses da Cataluña (comunidade autônoma situada ao Noroeste do país) foram os primeiros a utilizar a fibra trançada na base dos calçados ainda no século XIV. Há registros do uso de espadrilhas  pelos guerrilheiros espanhóis na Guerra Civil de 1930, configurando a partir desse fato um marco evolutivo do calçado de referência masculina no universo das mulheres e da moda.

Desde a releitura crítica e irreverente de Saint Laurent - ao colocar saltos nas espadrilhas usadas no campo de batalha - que elas nunca mais desceram do patamar de calçado típico do verão. Entre idas e vindas da estação, sempre ressurgem atreladas às cores e materiais que estabelecem as novas tendências. No Brasil e na Espanha o modelo original (flat) ainda recebe a nomenclatura de alpargatas e em muitos dos países europeus a versão rasa e rasteira é um hit do público masculino. Uma proposta com jeito bem tropical para fazer o front da guerra dos dias calorosos.