Costurando Idéias

/A cultura de moda alinhavada com história, sustentabilidade e comportamento

Fundação Saint Laurent abre acervo do estilista ao público com a mostra digital “Paper Dolls”

As bonecas de papel que o estilista francês desenhou e vestiu na adolescência compõem mostra virtual
| Por: Raquel Medeiros

Na adolescência, quando Saint Laurent (1936-2008) povoa a cabeça com os sonhos de uma carreira deslumbrante no mundo da moda, deixa a imaginação alçar voos nos croquis com traço já sofisticado. Para os vestidos e acessórios criados nas folhas brancas de papel - e pintados com guache - idealiza abas excedentes. Em realidade, pequenas dobraduras para aderir ao corpo das manequins que também ganhavam vida e silhuetas perfeitas nos blocos de desenho e nas lâminas da tesoura. As bonecas que ele vestia e trocava as roupas à exaustão marcam o princípio da trajetória que revoluciona a moda feminina no século 20. Agora, elas estão no mundo virtual e compõem a mostra "Paper Dolls" realizada pela Fundação Pierre Bergé - Yves Saint Laurent, abrindo o projeto de digitalização de todo o acervo do estilista.

Com apoio do Ministério da Cultura e Comunicação da França, a Fundação - que também leva o nome do sócio e companheiro de Laurent ao longo da vida - quer democratizar o acesso do público a um patrimônio cultural construído durante mais de quatro décadas. A instituição disponibilizará, progressivamente, os esboços de coleções e criações realizadas para o teatro, cinema, companhias de dança e musicais, além de cartazes, vídeos e desenhos animados. A atmosfera lúdica que faz deslanchar o projeto - através dos experimentos de Laurent com as paper dolls - é um convite à interação do internauta de qualquer parte do mundo com o processo criativo do mestre da alta-costura.

Na mostra digital, a ação do mouse conduz à brincadeira. As bonecas de papel e toda indumentária que Yves criou a partir das inspirações colhidas das revistas preferidas de sua mãe (Vogue, Paris Match e Jardin des Modes) podem ser vestidas para ocasiões imaginárias (clique aqui). O museu virtual permite que as personagens com nomes de batismo como Florence, Véra, Suzy e Bettina voltem ao tempo da "casa da costura de papel" em um desfile que começou ainda na década de 1950. A experiência retoma a largada das coleções que viriam apresentar o vestuário da mulher moderna: o caban (1962), o primeiro smoking feminino (1966), a saharienne e tailleur-calça (1967). Os códigos masculinos foram absorvidos com ousadia e poder preservando a feminilidade exaltada ao extremo.

Yves Saint Laurent, 1957 (Foto: François Pagès)

 

Serviço:

Webmuseo: acesse as Paper Dolls

Visite a Fundação Pierre Bergé - Yves Saint Laurent

Site oficial Saint Laurent