Costurando Idéias

/A cultura de moda alinhavada com história, sustentabilidade e comportamento

O conclave invernal da Dolce&Gabbana

A coleção Outono/Inverno da grife italiana traz referências sacras e coincide com a atmosfera religiosa em torno da escolha do do sucessor de Bento XVI
| Por: Raquel Medeiros

POR DETRÁS DOS PANOS 

Por trás dos tecidos, cores, formas e estilos que compõem a moda das passarelas há um sentido que comunica ideias, valores, geram novas percepções e sensibilidades a temas diversos.  A intenção deste espaço editorial é percorrer o caminho das entrelinhas costuradas nos bastidores da criação e por detrás dos panos dos desfiles mais comentados no Brasil e no mundo. Não para falar exatamente das últimas tendências, mas, para gerar informações que desdobram as inspirações e conceitos que fomentam a cabeça dos criadores de moda. 

Os Mosaicos de Domenico e Stefano

Quando a Itália respira a atmosfera de suspense às vésperas do conclave que escolhe o sucessor de um Papa que ainda desfruta da vida terrena, a moda - mundana em toda sua essência - também se coloca no centro das atenções através do sacro. Pela intercessão dos designers Domenico Dolce e Stefano Gabbana, o desfile da coleção outono-inverno 2013-2014 da grife que leva seus sobrenomes continua desdobrando-se em imagens veneradas pela mídia especializada, mesmo depois do término da semana prêt-à-porter de Milão. Na Igreja Católica, o período de Sé Vacante (trono vazio em latim) nutre, involuntariamente, a coincidência temporal que assenta a marca italiana no alto do burburinho que versa sobre luxo, extravagância e sofisticação de criações com aura sagrada.  

O conclave - reunião em clausura para eleger o próximo pontífice - tem lugar na Capela Sistina desde 1942, na Cidade do Vaticano. O nome do templo homenageia Sisto IV, chefe supremo da Igreja Católica entre 1471 e 1484, que restaura a então Capela Magna com obras dos pintores Pietro Perugino, Sandro Botticelli e Domenico Ghirlandaio. A Dolce&Gabbana invade a Catedral Monreal, na província de Palermo, na Sicília. De lá extrai a arquitetura inspiradora permeada de referências cristãs entre o céu e a terra. A coleção denominada de "Mosaicos" captura a técnica que reveste as paredes do edifício construído entre 1172 e 1185 sob o reinado de Guilhermo II. O dourado predominante na arte realizada por artistas de Bizâncio e Veneza surge como filigranas nas imagens sagradas - sempre frontais - transformadas em estampas para sedas, organzas e crepes que contracenam com rendas, brocados e lã.

O escarlate eclesiástico na passarela

No claustro 115 cardeais devem escolher sob voto secreto o sucessor de Bento XVI, agora Papa Emérito. Trajando sobreposições de vestes litúrgicas, em escarlate e branco, representantes católicos de todo o mundo transformarão a sala do conclave em um território de lutas internas que objetivam suplantar escândalos e desvios de uma igreja em agonia. Aos olhos dos espectadores de Milão, a assinatura inequívoca da Dolce&Gabbana escandaliza pela alfaiataria clássica e sofisticada. No entanto, a inspiração sacra cede à elaboração de vestidos ampulheta e túnicas quase monacais. A tentação reside na feminilidade das saias curtas e rendas reveladoras. O desfecho do desfile de Domenico e Stefano esboça um conclave fashion, com modelos unidas pelos vestidos de renda em vermelho intenso. Ao invés do solidéu usado pelos religiosos (chapéu de tecido em forma de calota), todas portam coroas douradas incrustadas com pedras e mosaicos. As peças são como joias imperiais e aclamam Santa Ágata, padroeira da Catânia, comuna siciliana.

Sem discrição, a cor do ouro excede nos crucifixos que pendem de brincos e colares. A devoção ao luxo não suscita arrependimentos e abusa das pedrarias. Surgem extravagantes nas roupas e saltos dos sapatos que remetem às colunas do templo cristão. Na costura artesanal rica em bordados, a grife estabelece um paralelo com o ofício dos mestres do mosaico: os detalhes construídos ponto a ponto são como pedras colocadas uma a uma. Arte de paciência e destreza que os cardeais terão que dispor na escolha do nome que tomará o trono papal. O momento é de espera pela fumaça branca que saíra da chaminé da capela nos próximos dias, traduzida na mensagem "Habemus Papam" (Temos Papa). Na moda, a Dolce&Gabbana continua incendiária.