Costurando Idéias

/A cultura de moda alinhavada com história, sustentabilidade e comportamento

Quando o silêncio é estratégia comercial

Não aos ruídos e aos excessos de informação na campanha comercial da loja inglesa Selfridges
| Por: Da Redação

O consumo está cercado de excessos. De informação, barulho, multidão... Estímulos!  Em pleno século 21, na guerra acirrada dos mercados de moda, beleza, novas tecnologias e alimentos poderia ser diferente?  A loja de departamentos inglesa, Selfridges, acredita que sim ou esconde no silêncio, na meditação e produtos desprovidos de marcas uma robusta estratégia de marketing. Uma proposta embalada na campanha "No Noise" (Sem Ruídos) que até o final do mês de fevereiro surge acalentadora para uma clientela farta do estresse das grandes cidades, da vida regrada pelo relógio e do bombardeio de slogans embutidos em etiquetas e publicidades que contam que a felicidade tem um preço e já não está na esquina. Basta um clique.

Não aos ruídos e às interferências. Para compor a promessa a Selfridges conta com a adesão de marcas conhecidas que simbolicamente removeram seus logotipos para participar da edição limitada de produtos da Loja do Silêncio. No design minimalista criado para o projeto o cliente encontra itens famosos desnudos de rótulos e etiquetas que vão desde um catchup Heinz a um jeans Levi's 501. Coleções da primavera 2013 também florescem sem barulho. Aos olhos do cliente fiel grifes como Jil Sander, Yohji Yamamoto e Maison Martin Margiela falam pelo código do estilo já configurado no mercado.

Sem sapatos e rastros eletrônicos

Consumidores esgotados estão no alvo da iniciativa da rede. Em plena estação do burburinho das ofertas eles são convidados a respirar, ficar parados e desacelerar. Nas lojas de Londres, Birmingham e Manchester a Sala do Silêncio propõe abrigo com pouca luz e isolamento acústico. Para o chão acarpetado nada de sapatos. A tecnologia também fica de fora: proibida a entrada de aparelhos celulares ou outros tipos de dispositivos eletrônicos que descansarão da curiosidade de seus donos em armários da antessala. Esse é o passaporte para o momento de relaxamento que conta com a assistência de profissionais especializados em técnicas de meditação.

A Sala do Silêncio é uma repaginação do espaço idealizado em 1909, quando Harry Gordon Selfridge abriu as portas e criou uma sala similar para clientes recarregarem as energias depois de um dia de compras extenuante. A ideia centenária foi recuperada a tempo, encaixa com perfeição no cenário atual e parece mais útil do que nunca. Protegido do barulho externo e do trânsito humano da loja o local é também ambiente para oficinas de filosofia grega, literatura, cultura do café e lições de latim. A "filosofia" da campanha pode ser sintetizada na famosa composição 4'33", do americano John Cage, que será interpretada no dia 23 de fevereiro. Na obra produzida em 1952, os músicos não tocam nada durante o tempo determinado no título. Permanecem quietos diante dos instrumentos e elevam o silêncio e som ambiente à condição de música. Comprar depois disso? É possível, com a cabeça bem fresca.