Costurando Idéias

/A cultura de moda alinhavada com história, sustentabilidade e comportamento

O tênis não desce do salto

Ícone de juventude o tênis atravessa gerações como elemento do vestuário urbano
| Por: Redação

A juventude transviada, tresloucada e revolucionária fez seu próprio estilo. Nos anos 50, o desejo da nação juvenil americana embalada pelo sonho de prosperidade e o ruído alucinante do rock and roll surgia codificado no jeans e camiseta. A parceria saía dos corpos maximizados das telas de cinema para desembarcar nas ruas. Nos pés, um tênis de lona com solado de borracha deixava rastro e arrematava o look. Estava escrita a receita que atravessa gerações e dita tendências nos quatro cantos do mundo. Difícil é ser adulto e abrir mão do elo temporal que simboliza o eterno desejo de permanecer intocado pela passagem dos anos.

O tênis é pop. Entre tantos modelos, o Converse All Star - criado em 1908 e considerado o primeiro calçado esportivo de marca registrada a pisar o mercado em 1917- é um ícone. Incorporou-se à linguagem das tribos e fala delas na condição de vocábulo, lado a lado com cacoetes, gírias e repertórios cantados à exaustão nas altas madrugadas de farras pós-baladas e raves. Vai à aula, pega um cineminha, passa apressado na faixa de pedestre, corre na quadra, entra no consultório do dentista e descansa junto à cama - algumas horinhas que sejam - de sola voltada para cima. De forma despretensiosa, também encara um blazer ou saia rodada de tecido mais nobre para fazer fita nas festas noturnas atraindo todos os olhares com o rótulo de moderníssimo.

Como se o relógio estivesse parado no tempo, a criação de Marquis Mills Converse não envelhece e parece recém-saída do musical West Side Story (1961). O solado branco já é "cinquentão" quando marca o figurino das gangues de Nova York numa história inspirada na clássica rivalidade shakespeariana de Romeu e Julieta, com trilha sonora de Leonard Bernstein e coreografia de Jerome Robbins executada pela flexibilidade do ator Georges Chakiris. O modelo original e os milhares de pares "genéricos" também saltaram pelos shows dos Stones, Ramones e Kurt Cobain. Invadirem os territórios das maratonas do Rock in Rio ou Lolapalooza em pleno século 21 sem barreiras ou limites. Ou na melhor dose de irreverência do vestuário contemporâneo: sem nunca descer do salto.