Costurando Idéias

/A cultura de moda alinhavada com história, sustentabilidade e comportamento

Folia de Rua, de moda e irreverência

Na prévia carnavalesca de João Pessoa, a moda acerta o passo com a folia e traduz a identidade dos blocos que arrastam multidões
| Por: Da redação

Moda e carnaval acertam o passo. Não importa o ritmo: frevo, samba, marchinhas ou maracatu de raiz. Na festa mais popular do Brasil a roupa compõe imaginários, identidades, tribos, blocos, alas...  Muitas alas! Em João Pessoa - capital paraibana que abriga o ponto extremo Oriental do Brasil - o sol nasce primeiro e esquenta a festa de Momo que começa antecipada. A prévia carnavalesca denominada "Folia de Rua" tem abertura oficial nesta sexta-feira (10) e põe os blocos na avenida com uma pitada de nostalgia. Na maioria deles, a roupa empresta o caráter de vínculo e pertencimento do espírito zombeteiro - mesmo que transitório - para cair na farra. Enquanto durar o batuque e a disposição, a fantasia elaborada ou improvisada é o documento pessoal de quem pede passagem à alegria.

O som eletrizante da guitarra do baiano Armandinho vai rasgar a noite no rito de boas-vindas que deflagra a temporada foliã. O palco é a Praça do Ponto Cem Réis, no coração do Centro Histórico. É o mesmo lugar das manifestações calorosas (políticas e sociais) de outrora, por onde trafegava e parava o bonde que cobrava o bilhete no valor que deu o nome de batismo ao espaço. Contrastando passado e presente, a parada agora é do trem da folia, sem pagar um tostão. Também o princípio de uma passarela ilimitada de moda para personagens desfilarem o look do dia com direito a excessos, brilhos e produções nada convencionais. Tudo bem sincronizado com a tendência que dita irreverência sem cortes.

Completando 25 anos de avenida o Folia de Rua é a síntese do carnaval da espontaneidade que resgata e fortalece as tradições populares. O projeto conta com apoio dos governos municipal e estadual e reúne 30 blocos que desfilam ao longo de nove dias pelas principais artérias da cidade arrastando multidões. É o carnaval  da terceira capital mais antiga do País que trilha ruas e avenidas para depois desaguar nas praias urbanas de Tambaú e Cabo Branco, onde suas areias servem de repouso. Uma festa democrática com passe livre para cair nela ou ficar na janela vendo "o carnaval passar". Na ótica desse enquadramento da vida real passam o trio, orquestras de frevo e foliões. Muitos! Eles vestem as fantasias e através delas brincam de esconder e revelar desejos.

A roupa é o DNA do folião

Nas bodas de prata do Folia de Rua é possível perceber traços de uma moda excêntrica que personifica o folião. Uns conscientes (outros nem tanto) seguem o ritual de Momo - o deus da Festividade na mitologia grega - filho do Sol e da Noite. Irreverência, sarcasmo, zombaria e sátira são ingredientes que ele trouxe do Olimpo para azeitar as festas na Terra com suas roupas vistosas, máscaras, estandartes e guizos. Uma receita do barulho que caiu como um presente dos céus no território brasileiro. Para os blocos foliões de João Pessoa, Momo é a própria inspiração que faz moda ajustada ao espírito burlesco.

Quem habita a capital paraibana sabe que na estação pré-carnavalesca uma "mulher" de pernas peludas, peitos desencontrados dentro de um vestido floral e andar trôpego sobre um escarpin pink é uma recatada Virgem de Tambaú.  O cabelo com brilhantina, óculos verde flúor, calça xadrex e camisa lurex se enquadra com perfeição na descrição do homem Cafuçu, marcado pelo conceito brega maximizado ano a ano. Para os turistas desavisados, qualquer tropeço com um tipo envolto em uma tela de tule é mera coincidência com o folião das Muriçocas do Miramar. O tule é o mosquiteiro que ajuda a atravessar a quarta-feira-de-fogo (antes do início do carnaval oficial) no maior zum-zum-zum sem dar importância às picadas do inseto que faz do bloco um dos maiores em número de seguidores que já ultrapassam 300 mil.

Roupas e acessórios se complementam para expressar o DNA dos blocos. A tendência é a da alegria, com estilo ímpar. A vestimenta traduz a moda em seu sentido mais literal do latim modus, que abre alas (melhor dizendo, asas) à imaginação e liberta vontades e fantasias adormecidas para cada um ser o que quiser. Ainda que seja só durante o carnaval.   

Acesse o site oficial do Folia de Rua 2012 e confira a programação de toda prévia carnavalesca